Atividades
11 de Março, 2011

Creche e Pré-Escolar dos Bacelos

Aprendizagem dos 5 sentidos, dos animais, dos números… e ainda o Dia da Família!

Os animais têm sido um dos temas trabalhados este ano nas salas da Educação Pré-Escolar dos Bacelos. As crianças dos 3 anos fizeram, com a ajuda dos pais, em casa, trabalhos em três dimensões sobre os diferentes habitats dos animais. A savana, a quinta ou os prados verdejantes foram alguns dos habitats reproduzidos com os respetivos animais que os povoam.

O tema dos animais também serviu para construir uma tabela numérica onde as crianças começam a aprender os números. Também nas salas dos 3 anos foi desenvolvido o projeto “5 Sentidos”. Através da atividade “Toca e sente”, com diferentes materiais e texturas, as crianças exploram o sentido do tato. O grupo dos 4 anos tem estado dedicado ao projeto “Quem sou eu”, em que as crianças aprendem as caraterísticas que as diferenciam dos outros e também aquilo em que todos somos semelhantes. Os “auto-retratos” feitos pelos mais pequenos estão expostos nas salas e são reflexo da diversidade do ser humano e de como cada criança se vê a si própria.

A primavera, apesar de ter chegado tímida, foi tema de conversa e deu origem a atividades sobre borboletas, joaninhas e flores, desenvolvidas nas salas dos 2 anos. As crianças da Creche também fizeram alguns trabalhos por ocasião do Dia Mundial da Arte, que se assinalou a 15 de abril. Abril também foi mês de celebrar a família. Na Creche têm acontecido, ao longo do mês, várias atividades nas salas, onde os pais são convidados a participar. Na Educação Pré-Escolar aconteceram dois dias temáticos com atividades ao ar livre, jogos tradicionais e um lanche para todos que juntou crianças, pais e familiares num convívio muito salutar.

Crianças do 1º Ciclo aprendem pela experimentação

As crianças do 3º ano A foram ao Pavilhão do Conhecimento, onde tiveram oportunidade de fazer experiências e aprender sobre vários fenómenos físicos. A aprendizagem pela experimentação é sempre muito proveitosa e foi também nesse contexto que a mãe de uma aluna se deslocou até à sala para uma sessão de Ciências Experimentais. Nessa oportunidade falou-se da importância do adubo para o crescimento das plantas, das partes constituintes destes seres vivos, os nutrientes de que necessitam para crescerem, aspetos que tinham sido estudados na sala e cuja aprendizagem agora foi reforçada desta forma.

   

Outra sessão das Ciências Experimentais foi protagonizada pela nutricionista da ABEI, Sara Duque, que consciencializou as crianças sobre a importância de uma alimentação saudável. As visitas regulares à horta e à Quinta Pedagógica também ajudam as crianças a perceber quais são os alimentos saudáveis, de onde vêm e como devem ser tratados. Os mais pequenos têm cuidado do espaço com regularidade e esta é uma atividade sempre muito saudável e divertida.

No dia 17 de março os alunos dos 2º e 3º anos da Escola da ABEI participaram no Concurso Internacional “Canguru Matemático”, que consistiu na realização de uma prova de matemática e teve por objetivo estimular o gosto e o estudo pela disciplina. Março também foi o mês de fazer prendas para o Dia do Pai e para a Páscoa, os mais pequenos dedicaram grande parte do tempo a atividades criativas e de expressão plásticas relacionadas com estas temáticas. Numa visita aos Moinhos de Palmela foi possível os alunos verem como se faz o pão e, mais uma vez, a aprendizagem pela observação e pela experimentação foi uma realidade bem conseguida.

     

Ainda em março houve uma atividade de interação das crianças dos 5 anos com a Escola do 1º Ciclo. Os utentes dos 5 anos da Educação Pré-Escolar de todos os equipamentos da ABEI visitaram a Escola dos Bacelos para terem um primeiro contacto com a escola “a sério”, uma realidade que vão viver a partir do próximo ano.

Já em abril, as crianças da escola participaram na iniciativa “E se fosse eu? Fazer a mochila e partir”. A ABEI associou-se à iniciativa da Plataforma de Apoio aos Refugiados e desafiámos as crianças a colocar numa mochila o que levariam consigo se tivessem que partir. O exercício serviu para refletir sobre o que é essencial e sobre as dificuldades que os refugiados vivem, não só a nível material e humano, mas também emocional.

     

Páginas: 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11

Subscrever RSS Email